É preciso transações mais ágeis entre Portugal e Espanha

Estratégia. Presidente do Banco Popular deixa recados ao governo e partidos políticos sobre medidas urgentes a tomar

Carlos Álvares sintetizou três passos

Carlos Álvares defende que Portugal devia ter por meta figurar no Top-10 da competitividade mundial

 

O aumento da competitividade do mercado português e a necessidade de agilizar as transações entre os dois vizinhos ibéricos são a chave para um futuro de crescimento em Portugal. Pelo menos é esta a opinião do presidente do Banco Popular, que ontem falou na conferência Mercado Ibérico.

Carlos Álvares sublinhou que Portugal caiu neste ano três lugares no ranking da competitividade mundial, passando do 36.º posto para o 39.º, e que isso tem forte impacto na capacidade de o país atrair investimento estrangeiro, o que, por sua vez, tem repercussões no desenvolvimento da sua economia. “O nosso desígnio nacional deveria ser o de figurar no top 10 da competitividade e atratividade para o investimento”, considerou o presidente do Banco Popular.

Para que Portugal se torne mais atraente aos investidores, Carlos Álvares avançou três pontos que, enquanto presidente de um banco com forte presença em ambos os lados da fronteira e profundo conhecimento do mercado ibérico, considera imperativo melhorar. Desde logo, é preciso políticas públicas de investimento mais estáveis. Afirmando que “não se pode andar sempre para a frente e para trás”, como acontece com frequência, o presidente do Banco Popular defende que “era fundamental haver um acordo a dez ou 15 anos entre os principais atores políticos” no que respeita às políticas públicas de investimento.

Um outro passo importante que aconselha para Portugal é a simplificação das leis que nos regem. Porque a morosidade da justiça, dos processos de licenciamento e outras burocracias geram “entropias no desenvolvimento do país”.

Por fim, e também vital, na opinião de Carlos Álvares, é que Portugal tenha uma “política fiscal mais previsível e amiga dos investidores”. Se estes três pontos forem melhorados, “não tenho dúvidas de que terão grande impacto na melhoria da classificação de Portugal” em termos de competitividade, concluiu.

 

Testemunho que ficou

37979276“É fundamental que as autoridades promovam a simplificação da legislação para o investimento, assim como a melhoria da previsibilidade fiscal.”
Carlos Álvares,
Presidente do Banco Popular

 

Texto: Adelaide Cabral
Fotos: Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens